quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Korn - The Serenity of Suffering

Fala galera!

O Korn, com mais de 20 anos de carreira bem consolidada, e teve seus momentos.
Seus primeiros discos, fazendo o alicerce de sua carreira, a saída de um guitarrista (Brian “Head” Welch), o retorno do mesmo alguns anos depois, o flerte com o Dubstep...

Em alguns desses momentos, algumas pessoas acharam que o Korn não teria de volta aqueles tempos áureos, mais precisamente na época dos discos "Life Is Peachy (1996)", "Follow the Leader (1998)" e "Issues (1999)", devido a inventividade e inovação para o período.


Pois bem, em 21 de outubro de 2016, a banda lança "The Serenity of Suffering".
Devo dizer que fiquei extremamente satisfeito com o disco.
A audição do trabalho é prazerosa. E o som é poderoso. E claro, nos remete à época de seus discos acima citados.

A banda não usou nada de influências de outros estilos. É o bom e velho Nu Metal, mas com aquele ar de inovação, que nos lembra, claro o período de 1996 - 1999. Com riffs pesadíssimos, o vocal de Jonathan Davis ora melódico, ora gutural, deixa tudo mais sinistro.

O Korn voltou com força total, lançando um disco que consolida sua carreira como uma das melhores bandas no estilo. Os fãs das antigas vão matar a saudade das tijoladas, e os novos fãs vão se encantar, como nos encantamos a 20 anos atrás.


Ah, detalhe, já que todos adoram referências: o bicho de pelúcia, na mão da criança, é o bichinho da capa do disco "Issues". Particularmente, eu gosto das artes conceituais das capas da banda, muito.

Todas as faixas são matadoras, mas eu destaco aqui "Insane", "A Different World (com participação de Corey Taylor)", "Rotting in Vain (confiram o clipe AQUI)", "Take Me" e "Die Yet Another Night".

Segue traklist:

"Insane"
"Rotting in Vain"
"Black Is the Soul"
"The Hating"
"A Different World" (featuring Corey Taylor)
"Take Me"
"Everything Falls Apart"
"Die Yet Another Night"
"When You're Not There"
"Next in Line"
"Please Come for Me"


Faça um favor pra você e vá escutar! No volume altíssimo!

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

David Bowie - Blackstar (★)

Fala galera!

Falar do Sr. Bowie é sempre complexo.
Não apenas por ser fã do trabalho dele. Mas pela complexidade de seus trabalhos.

Conhecido como o "Camaleão do Rock", não apenas por suas mudanças visuais, mas pela grande quantidade de influências que suas músicas carregam. É difícil conseguir rotular suas músicas.

David Bowie veio a falecer de uma maneira abrupta para o público: sua morte foi declarada em 10 de janeiro de 2016, e apenas familiares sabiam de sua doença, a qual enfrentava a 18 meses.

O disco em questão, "Blackstar (ou ★)", foi lançado em 08 de janeiro de 2016, dois dias antes de sua morte, e no dia de seu 69º aniversário.
Vemos aqui, logo na primeira audição, que é um disco de despedida. Despedida dos fãs e do mundo.

Capa de "Blackstar (★)"

É um som denso, com poucas influências de Rock, propriamente dito. Mas muitas de Jazz, e até Rap.
Letras bem escritas, e complexas, como todo o trabalho de Bowie, citando desde a Bíblia (faixa "Lazarus") e até o filme clássico "Laranja Mecânica (faixa "Girl Loves Me")".

A faixa título, "★", é a mais longa, com quase 10 minutos. Seguida por "'Tis a Pity She Was a Whore (muito visceral, por acaso)", com fortes influências de Jazz. Conta a história de uma mulher que tem um caso incestuoso com o irmão, para depois ser assassinada por ele. Com versos como "Ela segurou meu pau" e "uma pena que era uma prostituta". Uma faixa com uma sonoridade deliciosa, apesar do tom sombrio da letra.


A música "Girl Loves Me", parte da letra é cantada no dialeto Nadsat, a mistura de russo e inglês usada pelos personagens de "Laranja Mecânica".

Mas na minha opinião, as faixas mais claras quanto ao "adeus", são "Lazarus" e "I Can’t Give Everything Away".

"Lazarus", a terceira faixa, Bowie se compara a Lázaro, personagem da Bíblia que morreu e foi ressuscitado por Jesus.
Cantando versos como "olhe aqui em cima, estou no céu", e no final "eu serei livre como aquele pássaro azul", já denota o que ele realmente queria dizer. O clipe mostra Bowie deitado em uma cama de hospital (clipe AQUI).
E "I Can’t Give Everything Away", última faixa do álbum, com certeza é o ponto final. Em tudo.
Letra com trechos "desenho de caveira nos pés", "corações enegrecido e notícias com flores", "Dizer não e significar sim / Isso é tudo que eu quis dizer".


O álbum "Blackstar (★)" nos traz um David Bowie em excelente forma, e diferente de outros artistas, mostra que estava a todo vapor, com ótimas composições e músicas inspiradíssimas, não como alguém no fim de carreira. Uma perda, sem sombra de dúvidas, irreparável.

Segue tracklist:

"Blackstar"
"'Tis a Pity She Was a Whore"
"Lazarus"    
"Sue (Or in a Season of Crime)"
"Girl Loves Me"     
"Dollar Days"   
"I Can’t Give Everything Away"


O legado de Bowie será eterno, como um dos principais gênios da música.
Álbum altamente recomendado! E claro, se quiserem baixar as músicas, fiquem à vontade. Mas o CD original tem um acabamento lindo, edição em digipack, e com detalhes vistos apenas na luz. Coisa de colecionador mesmo!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Livro - O Circo Mecânico Tresaulti

Fala galera!

Depois de um tempo, cá estou de volta!
Peço desculpas por deixar o blog abandonado, mas foi por falta de tempo mesmo, não por má vontade.

Enfim, vamos ao que interessa!

Li esse livro tem alguns dias, e na verdade, ele nem foi indicado por ninguém, achei o nome interessante. Eu sei, puta bobeira.

Bobeira nada!

Edição capa clássica.

"O Circo Mecânico Tresaulti" foi um dos livros mais bacanas que li durante esses tempos!

Um circo itinerante, com algumas pessoas fazendo show pelas cidades, trazendo alegria, parece uma história clichê total, né?

Agora, imaginem uma terra pós-apocalíptica, toda destruída, e em alguns lugares, ainda existem resquícios de radioatividade.
Novas cidades vão nascendo ao longo dos séculos (é, séculos).
E esse circo, em particular, é diferente de tudo.

O grupo circense é formado por pessoas mutiladas (por serem soldados, ou vítimas das guerras), todas "reconstruídas", com partes metálicas, engrenagens... e que vão se juntando ao circo. Uns fugiram das guerras, outros de suas vidas.
E essa galera vai levando um pouco de esperança por onde passam, numa aventura totalmente Steampunk.

Edição capa dura.

A escritora Genevieve Valentine manda muito bem: uma história fluída, leve, nada complexo, porém é aquele livro que você lê e fica pensativo depois. E é uma história muito humana, e pensamos realmente nas escolhas que fizemos e o peso das consequências disso.

A editora DarkSide deve ser conhecida por todos (se não conhece, clique AQUI e conheça), e lançou o livro em duas capas: a clássica (capa normal) e a edição limitada (capa dura). As duas edições tem acabamento lindo, e independente de sua escolha, ambas são muito bonitas.

Ah, ia me esquecendo: o marcador de páginas é um ingresso dourado pra entrada no circo!

Tá esperando o que? Já saia e vai ler esse "novo clássico"!

domingo, 27 de novembro de 2016

De Volta às Atividades

Fala galera!

Depois de um período no Limbo, finalmente o Segundo Olhar vai voltar as atividades!

Dentre esse próximos dias, estarei separando alguns posts e preparando mais coisas maneiras pra trazer aqui!

Agradeço a todos que ficaram esperançosos pela volta do blog, valeu mesmo.

E fiquem espertos, logo os posts começam!

Valeu mesmo!!

- Bart

domingo, 19 de abril de 2015

Sound City - Real to Reel

Fala galera!

Conhecemos apenas o final do processo total no que se refere à música.
A parte simples é colocar o CD ou vinil no aparelho e deixar rolar. mas o que acontece até chegar esse ponto?

Dave Grohl.

O polivalente Dave Grohl, da banda Foo Fighters, gravou um belo documentário chamado "Sound City - Real to Reel", e conta a história do estúdio Sound City, na Califórnia.


Este estúdio foi a casa de vários artistas e vários discos de sucesso, e dentre as bandas que passaram por lá e fizeram história: Rick Springfield, Neil Young, Fleetwood Mac, Grateful Dead, Tom Petty and The Heartbreakers, Dio, Blind Melon, Kyuss, Masters of Reality, Rage Against the Machine, Nirvana, Red Hot Chili Peppers, Johnny Cash, System of a Down, Slipknot, Queens of the Stone Age, Nine Inch Nails, Metallica...

Taylor Hawkins, Dave Grohl e Alain Johannes.

Sound City era um estúdio analógico, e pra quem não sabe, estúdios analógicos funcionam assim: todos entram juntos no estúdio e gravam todos os instrumentos juntos, e às vezes, os vocais também. Tudo é gravado em tapes (isso mesmo, rolos de fita!) e se tiver algum erro, a fita é cortada e emendada. Complicado né?
E o que levou uma série de bandas famosas, em plena era digital, a gravar em um lugar tão antiquado?

Stevie Nicks.

Corey Taylor.

É aí que entra o documentário de Grohl!
É mostrado a história do estúdio, dos funcionários, engenheiros de som, produtores, de vários artistas, com entrevistas muito bacanas.
Alguns dizem que Sound City era badalado pela sonoridade do estúdio, outros pelo ambiente, e vários pela mesa de som customizada Neve 8078, pedida por encomenda.

Mesa Neve 8078.

Trent Reznor, do Nine Inch Nails, diz que estúdios assim mostram quem são músicos de verdade.

Trent Reznor.

Pensando nisso, Dave Grohl gravou um trilha sonora para o documentário, e isso foi mostrado no decorrer do filme.
Imagine uma trilha sonora que cada faixa é formada por uma superbanda!
Acho que essa é a melhor definição. 
Saca só os músicos de cada faixa, dentre eles, Paul McCartney com os membros do Nirvana, e a épica faixa "Mantra", com Dave Grohl, Josh Homme e Trent Reznor. 



Grohl surpreendeu com esse filme: mostra que o Rock tem muita história pra contar. A trilha sonora é magnífica, e claro que é altamente indicado!
Escutar as várias influências em cada faixa é um experiência única!!


sábado, 18 de abril de 2015

Marilyn Manson - The Pale Emperor

Fala galera!

Marilyn Manson está de volta!
Depois de seu ótimo disco "Born Villain", de 2012, Manson gravou uma participação no seriado Californication. E durante essa participação, conheceu o músico Tyler Bates (famoso por criar músicas incidentais), e os dois começaram a ter ideias sobre realizar um trabalho juntos, e Tyler chamou Manson para seu estúdio particular.


Para se ter uma noção dessa química, Manson disse:

"Tyler se sentou na minha frente com sua guitarra e seu amplificador. Nós não iriamos falar sobre como as canções iriam ser. 
Eu disse: "Apenas toque, me dê o microfone, vai."
É claro que gostaríamos de elaborar isso mais tarde, mas a maior parte, os takes da guitarra e o vocal são o original, primeiro take. 
Se eu fodi alguma coisa ou se ele fodeu alguma coisa, a gente começou desde o início e fizemos isso juntos. "

Para muitos críticos, este é um dos melhores trabalhos do cantor. Não tem aquele peso do Rock Industrial, marca registrada da banda, mas sim um excelente disco de Hard Rock / Rock Alternativo / Blues Rock.

Durante o processo de criação, Manson participou da última temporada do seriado Sons of Anarchy. E pra quem acompanhou, a trilha sonora dessa série é basicamente Blues Rock.
E durante as gravações, a mãe de Manson veio a falecer após oito anos lutando contra o Mal de Alzheimer.


Isso deu o combustível que ele precisava para compor a atmosfera do disco.
"The Pale Emperor" realmente parece uma trilha sonora, muito bem composta, e as letras obscuras, coisa que Manson domina, estão no nível de seus discos da Trilogia Triptych (sua época de ouro). 
O álbum lida com temas que vão desde a mortalidade, a guerra, a violência, a escravidão e religião, bem como contendo referências à mitologia grega e do folclore alemão, especificamente a história de Fausto e Mefistófeles.
A faixa "The Mephistopheles of Los Angeles", foi a faixa-título original e, de acordo com Manson, "o coração do álbum".

Capa de "The Pale Emperor".

O Imperador Pálido foi Constantino, que conforme Manson disse:

"...o imperador romano Constantino, a quem eles se referem como o imperador pálido pois ele foi contra tudo em todos os sentidos. Ele votaria em desordem. Ele foi o primeiro a negar a existência de Deus no império romano, o que foi um grande negócio."

Destaque para as faixas "Deep Six (Hard Rock total)", "Third Day of a Seven Day Binge", "Warship My Wreck (doentia)", "Birds of Hell Awaiting" e "Cupid Carries a Gun", que mostram que o Anticristo Superstar está vivo.

Segue tracklist:

1. "Killing Strangers"
2. "Deep Six"
3. "Third Day of a Seven Day Binge"
4. "The Mephistopheles of Los Angeles"
5. "Warship My Wreck"
6. "Slave Only Dreams to Be King"
7. "The Devil Beneath My Feet"
8. "Birds of Hell Awaiting"
9. "Cupid Carries a Gun"
10. "Odds of Even"


Essa mudança na sonoridade deu um gás novo para Manson. É um álbum bem trabalhado, não que os outros não fossem, mas esse nível de trabalho, para esse tipo de sonoridade, requer uma atenção especial.

Manson conseguiu o que queria: após muitos terem perdido a fé em sua capacidade, mostrou que estavam errados, trazendo um álbum digno de nota.

Indicadíssimo! Tocar alto não é suficiente!!


Slash - World on Fire

Fala galera!

Em 2014, o imbatível guitarrista Slash lançou seu terceiro álbum solo, chamado "World on Fire". Após lançar dois álbuns de estúdio (a saber, "Slash", de 2010, e "Apocalyptic Love", de 2012) e um álbum ao vivo ("Made in Stoke", de 2011), ficou uma dúvida em relação a qualidade do novo disco.


Seus trabalhos anteriores ficaram excelentes, mas conseguiria Slash manter esse patamar? A resposta é... SIM!!

Novamente, Slash está com Myles Kennedy nos vocais, e The Conspirators (Todd Kerns no baixo e Brent Fitz na bateria). Digo com convicção que este é o trabalho mais pesado do guitarrista.


Ao longo de dezessete faixas, Slash mostra porque é um dos melhores guitarristas de todos os tempos: belas melodias e solos absurdos, mostrando que está em plena forma.
Myles trazendo o melhor que sua voz pode fazer, mostrando a química entre os dois, e não podemos ignorar o fato de Todd e Brent deixarem sua marca.

Faixas como "World on Fire (uma tijolada)""Shadow Life""30 Years to Life (pesadíssima)""Stone Blind (grudenta)""Withered Delilah (Hard Rock em sua forma pura)""The Unholy (épica!)", mostram toda a potência da banda como um todo.

Segue tracklist:

1. "World on Fire"
2. "Shadow Life"
3. "Automatic Overdrive"
4. "Wicked Stone"
5. "30 Years to Life"
6. "Bent to Fly"
7. "Stone Blind"
8. "Too Far Gone"
9. "Beneath the Savage Sun"
10. "Withered Delilah"
11. "Battleground"
12. "Dirty Girl"
13. "Iris of the Storm"
14. "Avalon"
15. "The Dissident"
16. "Safari Inn"
17. "The Unholy"

Ou seja, "World on Fire" é uma verdadeira aula de Hard Rock. Pesado, bem trabalhado e limpo. Slash já não pode ser mais conhecido como o "ex-guitarrista do Guns n' Roses". Ele já tem sua identidade, e mostra que sua criatividade está a mil por hora.

Não desmerecendo Axl Rose (sou fã dele)... mas acho que ele vai suar muito pra lançar algum trabalho desse nível...

Altamente indicado! Escute alto pra cacete!!